• Adriana Dias Titton

Rolfing® Integração Estrutural e postura

Atualizado: 20 de Fev de 2019

“’Peito para frente e barriga para trás’, diz o sargento, quando quer dizer que você deve fazer isso, que isso não acontece naturalmente. No momento em que você se obriga a manter uma postura desse tipo, você descobre que nem tudo está bem em seu mundo. Você mostra ao mundo que sua estrutura e sua postura estão em guerra.” (Ida P. Rolf, “Rolfing: a integração das estruturas humanas”)



Quem já não sentiu a necessidade – em diferentes momentos da vida – de “melhorar sua postura” para sentir-se melhor em seu corpo, com mais conforto e menos dores ou tensões? Para tanto, fazemos várias tentativas, como monitorar nossa coluna para mantê-la mais ereta, abrir os ombros para trás e colocar o peito para frente, enrijecer nosso tronco travando os joelhos para trás para nos sentirmos mais “firmes”, e assim por diante. Isso é o que a Dra. Ida Rolf chama de “fazer” algo, ou seja, contraímos e tensionamos alguma parte do nosso corpo na tentativa de melhorar sua organização. A intenção é boa, porém, a estratégia não é eficaz: porque não é sustentável (aciona uma camada da nossa musculatura – a mais superficial – que não foi feita para essa função tônica-postural e, portanto, não consegue manter essa posição por longos períodos de tempo, além de não conseguirmos manter o foco da nossa atenção 100% do tempo no nosso corpo, então, assim que nos distraímos com alguma outra coisa, nossa “postura” se desfaz) e acaba criando mais camadas de tensão, compensação e desorganização no corpo.


Que outro caminho existe, então, para melhoria da organização e alinhamento do nosso corpo? O caminho da “estrutura”, isto é, a relação entre os vários segmentos do nosso corpo entre si (cabeça, tórax, tronco e membros que, por sua vez, são compostos pelo crânio, vértebras, ossos pélvicos, etc.), em seu envoltório miofascial de sustentação, e deste todo com a gravidade. Uma imagem que a Dra. Ida Rolf utilizou para ilustrar a organização do homem é a de um conjunto de blocos dentro de um saco elástico bem fino. Se os blocos estão desorganizados dentro deste envoltório (juntamente com a ação da gravidade), é criada uma tensão no saco elástico para sustentação do conjunto de blocos. Por outro lado, quando os blocos estão empilhados verticalmente, com seus centros de gravidade uns sobre os outros, o arranjo será estável, sem tensão no envelope elástico. Então, ao invés de buscar um alinhamento “de fora para dentro”, por meio de novas tensões e compensações que tentam “segurar o corpo no lugar certo”, ele é alcançado “de dentro para fora”, através do reencontro do eixo vertical, que corresponde ao alinhamento dos centros de gravidade dos vários segmentos do corpo, que o próprio corpo vai reconhecendo naturalmente como “seu lugar” e onde, cada vez mais, ele busca ficar, sem esforço.


Esse caminho da "estrutura" é o caminho utilizado no Rolfing® IE para um maior bem-estar no próprio corpo: um processo que possibilita a cada indivíduo reencontrar de forma sustentável níveis crescentes de equilíbrio e alinhamento do seu corpo na gravidade – seu eixo – por meio da integração de suas estruturas. Um caminho para nos sentirmos novamente "em casa" em nosso corpo.

32 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Um corpo em transformação

Gosto de me dar conta de que nosso corpo é realmente um organismo vivo, uma estrutura dinâmica que está constantemente se transformando.